Papo Soberano



 
 

PAPO SOBERANO

Ôôô... O Tricolor voltou

Por Rennan Bontempo

Foto: Evelson de Freitas/AE

Quem assistiu os últimos jogos do São Paulo viu outro time em campo. Uma equipe raçuda, determinada e... unida? Isso ainda é cedo para afirmar, mas com certeza a apatia que reinava nos últimos momentos da era Muricy não existe mais.

Jogadores como Hernanes, Jorge Wagner, Richarlyson e Dagoberto vêm crescendo de produção e garantindo-se como titulares. Aos poucos, o time vai ficando com a cara de Ricardo Gomes, que barrou Zé Luis e Hugo, e aos poucos vai lançando o jovem Oscar, tido como grande promessa tricolor, mas que estava esquecido até então.

Para muitos, o São Paulo se tornara previsível, um time que praticamente só alçava bolas na área e garantia-se na bola parada. Mas isso também parece estar mudando. Invicto a três partidas, o tricolor marcou seis gols nestes últimos três jogos, e nenhum deles de bola parada. Jogadas individuais, tabelas e enfiadas de bola começam a aparecer, mostrando que o time era realmente previsível, mas por mera opção.

Entretanto, nem tudo parece estar resolvido. A lateral direita continua deixando a desejar. Zé Luis acabou sendo afastado, o chileno Saavedra não agradou Ricardo Gomes como lateral e o argentino González só poderá estrear após o dia 3 de agosto. Assim, o volante Jean vem atuando no setor, mas também não parece ter se adaptado. Outro destaque negativo é Eduardo Costa, que já mostrou que não merece vestir a camisa do Tricolor.

Agora só nos resta acreditar que a regularidade será mantida e que o tricampeão brasileiro voltará a ser uma equipe competitiva e temida. Afinal, nos últimos anos, duvidar do São Paulo não tem sido um bom negócio.

Rennan Bontempo é jornalista, insuportavelmente fanático por futebol e enlouquecidamente são-paulino. Ele escreve quinzenalmente no blog a coluna "Papo Soberano".



Escrito por Felipe Virolli às 15h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 
 

PAPO SOBERANO

A volta da confiança

Por Anderson Dias

Olá, amigos do Futebolismo. É novamente com muita honra que escrevo aqui mais uma coluna do “Papo Soberano”, com opiniões e informações do tricolor paulista. O nosso atual momento exige, antes de qualquer opinião, tranqüilidade e coerência daquele que vai publicar algo sobre o time. Isso não quer dizer ficar em cima do muro ou amenizar o discurso, mas sim dar um tempo para um novo trabalho que se inicia, sem cometer injustiças e até leviandades como alguns fazem por aí.

Dentro de campo

Após a contratação de Ricardo Gomes, é nítida a mudança tática do São Paulo dentro de campo. Além da preferência pelo 4-4-2, o treinador tem como estilo evitar ao máximo a improvisação de atletas, ponto que sempre foi um dos temas mais discutidos no trabalho do ex-treinador Muricy Ramalho.

No jogo contra o Náutico e contra o Coritiba, o time jogou em um clássico 4-4-2, com Eduardo Costa à frente da zaga. Já no último domingo, o treinador preferiu o 3-5-2, mas teve que terminar o jogo em sua formação predileta, já que Renato Silva foi expulso, em mais um cartão vermelho infantil tomado pela equipe são-paulina.

Em ambos os esquemas, o time teve altos e baixos, mas fica claro que realmente o 4-4-2 é uma boa opção para a equipe, que naturalmente sentirá um pouco o período de adaptação, já que joga com três zagueiros desde 2005. No empate contra o Flamengo, o time mostrou que, aos poucos, está readquirindo a confiança e foi buscar o placar mesmo com um homem a menos, o que é um progresso e tanto para o pífio futebol apresentado em 2009.

Jogadores como Júnior César, Marlos, Borges, Miranda e Jean vêm subindo de produção com o novo treinador. Já Hernanes, Dagoberto, Washington, Jorge Wagner e Renato Silva precisam provar que estão preparados para vestir a camisa tricolor ou procurar novos ares, pois desde o início do ano não produzem o que deles se espera, o que é preocupante em um clube que oferece a estrutura e a visibilidade de nosso querido São Paulo Futebol Clube.

Miranda e Hernanes são os únicos cotados a deixar a equipe neste mês e seguirem para a Europa, até pelo longo período que o tricolor paulista está sem vender um grande jogador (fonte mais importante de renda de todos os times brasileiros). O zagueiro faria muita falta, já que, em minha opinião, é o melhor do país em sua posição. O camisa 10, Hernanes, se voltar a jogar como na época que vestia a 15, será outra grande perda, mas nos últimos jogos, o meia/volante só decepcionou.

Ontem, o chileno, lateral direito e zagueiro Savedra, de 21 anos, foi apresentado como reforço do São Paulo e muitos já o colocaram como péssimo e desconhecido. Como disse no começo, prefiro ter cautela e aguardar o jogador entrar em campo antes de emitir opiniões infundadas. O certo é que a tentativa é válida, já que não há dinheiro sobrando em caixa e nem jogadores bons na posição disponíveis no mercado para suprir esta carência do nosso elenco, a lateral-direita.

Bastidores

Apesar da atenção da diretoria tricolor estar voltada à Copa de 2014 e à confirmação do Morumbi não só como um estádio-sede, mas também como a arena para a abertura do torneio, o torcedor tricolor cobra a seqüência da era de títulos que acontece desde 2005. Muitas vezes, na paixão de um jogo ou na ânsia por um título, se esquece da importância até histórica de alguns eventos para um clube de futebol.

Na época da construção do Estádio do Morumbi, o tricolor ficou 13 anos sem ganhar sequer um título – do início das obras até a inauguração do estádio. Nos anos 90, novamente o gigante estádio precisou de reformas estruturais, e novamente o time não ganhou nenhum título.

Se agora a prioridade é a abertura da Copa de 2014 e o time ficar com nível técnico abaixo do esperado, sem problemas, desde que não haja quedas de divisão e desvalorização da marca São Paulo, que vem em uma crescente. Inadmissíveis também seriam atrasos de salários e premiações, que alguns jornalistas insistem em dizer que já acontecem no time, mas não apresentam provas e, quando perguntados, diretores e jogadores negam veementemente a informação.

A afirmação de que “eles nunca falariam se tal fato acontecesse” não vale, já que diversas vezes vimos jogadores de outras equipes reclamando deste problema. Se todos estão com tudo em dia, é hora de mostrar bom futebol, sem desculpas e rachas no elenco.

Que a janela de transferências traga bons fluídos e que o tricolor volte a ser forte, com padrão de jogo, ousadia e muita raça, É o que toda a torcida espera, mesmo que não venham títulos.

Anderson Dias tem 21 anos, é jornalista, apaixonado por futebol e pelo São Paulo Futebol Clube. Além de colaborador, Dias escreve quinzenalmente a coluna “Papo Soberano” no blog Futebolismo, opinando sobre os assuntos que agitam o clube do Morumbi.



Escrito por Felipe Virolli às 17h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Felipe Monteiro Virolli é jornalista e autor do Ranking de Clubes Brasileiros. Polêmico, crítico e muito sincero, Virolli entrou para o jornalismo com a idéia de revolucionar o mundo. Tem ideais vanguardistas e preza muito pela ética na profissão, assim como na vida. Seu desejo com o blog Futebolismo é se tornar referência na internet em conteúdo futebolístico, oferecendo opiniões e análises com qualidade, livres de paixões clubísticas, para quem é fanático por este maravilhoso esporte.
 

Histórico
Categorias
  Todas as Categorias
  Mercado do Futebol
  Opinião Santástica
  Reportagens Especiais
  Papo Soberano
  Papo de Porco
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?